O UOL (controlado pelo Grupo Folha) publicou neste sábado (04) a matéria “Brasil é o último colocado em gastos com universitários, diz OCDE“. O texto foi escrito por Jamil Chade e esteve na capa do UOL por toda a manhã de sábado.

Entretanto, há menos de dois anos a Folha publicou a matéria “Brasil está entre os que menos gastam com ensino primário, mas tem investimento ‘europeu’ em universidade“, escrita por Daniela Fernandes da BBC, informando basicamente o oposto do que Jamil Chade escreveu, inclusive com dados muito diferentes, apesar da fonte similar (OCDE).

A Caneta resolveu checar quem está mentindo nesta história.

 

Números conflitantes

Escrita em setembro de 2017, a matéria da BBC menciona o estudo da OCDE que gerou os dados (“Um Olhar sobre a Educação”, Education at a Glance em inglês) e menciona, corretamente, que o Brasil gastou quase US$ 11,7 mil com cada estudante universitário por ano. É um arredondamento da versão 2017 do estudo (disponível aqui), a qual mostra, na página 177, que os gastos públicos e privados com educação superior no Brasil foram de US$11.666 em 2014 (ano em que os dados foram coletados).

Estudo da OCDE em 2017: Brasil gastava 11.666 dólares anuais por aluno do ensino superior (“all tertiary“, antepenúltima coluna)

 

Já a matéria capa do UOL escrita por Jamil Chade e publicada neste sábado (04) mostra um número completamente diferente: “magicamente” os gastos anuais com ensino superior no Brasil teriam caído, em um ano, para US$3.722 por estudante. A única fonte mencionada é um “levantamento da OCDE”, sem indicar qual, e há prints de um site da OCDE (provavelmente este, com os dados “momentaneamente indisponíveis”).

Entretanto, o próprio site da OCDE menciona que a última publicação da entidade sobre o tema é o Education at a Glance 2018. E é aí que as coisas ficam feias para o “jornalista” do UOL.

 

Dados reais são bem diferentes da fake news divulgada pelo UOL

De acordo com a versão 2018 do estudo (disponível aqui), os gastos com ensino superior no Brasil cresceram 22,2% em um ano, chegando a $14.261 em 2015 (ano dos dados analisados pelo estudo). É o que mostra a página 264 do estudo:

Estudo da OCDE em 2018: Brasil gastava 14.261 dólares anuais por aluno do ensino superior (“all tertiary“, antepenúltima coluna)

Portanto, os dados divulgados pelo “jornalista” Jamil Chade são falsos: de acordo com a própria OCDE, o Brasil gasta quase 4 vezes mais anualmente por aluno do ensino superior do que a matéria escrita por ele afirma. Ainda que este tenha sido um erro do site da OCDE e não do “jornalista”, bastava verificar o estudo completo, como fizemos, para perceber a inconsistência. E fica pior.

 

Nem o título se salva: Brasil não é o último colocado em gastos com universitários

Com um erro tão grande que poderia ter sido evitado apenas consultando o estudo completo, nem o título da matéria de Jamil Chade se salva.

Baixamos a tabela com os dados da OCDE relacionados aos gastos anuais por aluno do ensino superior (disponível aqui), removemos os dados relacionados a outras fases do ensino e os países que não forneceram dados, e a ordem que obtivemos foi esta:

Como é possível perceber, a matéria da BBC estava correta em afirmar que o Brasil possui gastos europeus com cada aluno do ensino superior: somos o 16° entre 36 países que mais gastam com universitários. A matéria de Jamil Chade no UOL mentiu também no título.

 

A cereja do bolo: OCDE recomenda que o Brasil gaste MENOS com ensino superior e mais com ensino básico

Portanto, já está claro que o UOL passou o dia divulgando uma enorme notícia falsa em sua capa. Mas não poderíamos deixar de comentar um outro estudo da OCDE que recomenda ao Brasil reduzir os gastos com ensino superior e aumentar os gastos com ensino básico.

De acordo com a Página 30 do Economic Survey Brazil 2018 (disponível aqui):

“O setor público do Brasil gasta 5,4% do PIB com educação, acima da média da OCDE e de outros países da América Latina. Colômbia, México e Uruguai gastam menos por estudante do que o Brasil, mas obtém melhores resultados no PISA da OCDE do que o Brasil. (…) Transferir os gastos do ensino superior para o ensino pré-primário, fundamental e médio aumentaria a progressividade e eficiência. O ensino superior estatal e gratuito tende a beneficiar estudantes de famílias com alta renda, dado que os formados em escolas de ensino médio privadas têm melhores notas nos vestibulares. Por outro lado, a educação pré-escolar reduz significativamente a probabilidade de que estudantes sem privilégios deixem o sistema de educação no futuro”.

Em outras palavras: de acordo com a própria OCDE que o UOL usou como fonte, o Brasil precisa gastar menos com ensino superior e mais com ensino pré-primário e fundamental.

 

Atualização (05/05): Um dia depois desta correção da Caneta mostrar que a matéria divulgou dados falsos, Jamil Chade admitiu que divulgou uma “fake news”, mas culpou a OCDE!

A guerra pela aprovação da Reforma da Previdência continua. Faça parte: clique aqui

28 comments
  1. Bem, so tenho uma pergunta, para os Sr e Sra,
    Wellington e Dulcirley.
    Vcs são funcionários públicos?
    Abraços!

    1. Não haverá redirecionamento da verba, Robson. A desculpa é muito clara. Não há sequer projeto apresentado para as escolas básicas. Para redirecionar era preciso apresentar pelo menos um projeto formado. A desculpa é clara. Trata-se de uma ação de desmonte.

  2. O problema é que não há a “cereja do bolo”, ou seja, segundo o decreto assinado sexta passada pelo presidente, também haverá cortes no ensino básico.

  3. Oi Ricardo Sampaio, corrija seu Português: “estrangeiro” é assim que escreve e não com “x” como apareceu no seu texto!!! Aliás estamos precisando demais de bons professores na pré-escola e no ensino fundamental!!! Alô… alô…Sr Presidente!!! Obrigada pela chance de me manifestar.

  4. #UOL LIXO
    #BOL LIXO
    BOICOTE TOTAL A MAIS ESSE ESGOTO ESQUERDISTA!
    Cancelem tudo de UOL, BOL. Canelamos todos os e-mails antigos da família e da empresa.
    Agora, só vamos de gmail.

  5. Não ficou claro se estamos comparando gastos em ensino gratuito com gastos para universidades públicas em que o ensino não é gratuito. No Canada é bastante comum universidades e colleges públicos, mas que cobram mensalidades de locais e de extrangeiros (3x mais). Esse estudo mostra a comparação do gasto do governo, mas não significa que as nossas universidades tem mais dinheiro que outras e sim que o Estado gasta mais.
    O estudo é relevante mas é covardia se comparar despesas por aluno em universidades no mundo.

  6. E faltou dizer que o Brasil tem nível Europeu de contribuição científica. Está na 19° posição. Mais de 90% dos trabalhos científicos no Brasil são de Universidades Públicas, sendo que apenas 20% dos alunos de curso superior estão na Universidade. Universidade não é faculdade cuspe e giz. O custo por aluno considera todo orçamento. Por exemplo, são 50 hospitais universitários. São milhares de projetos de extensão a comunidade. Assistência estudantil (ex: alojamentos para alunos pobres). Ensino básico e superior não são adversários, ambos precisam de investimento. Dizer que Universidade é para ricos, mas ser contra a política de cotas para alunos de escola pública, dá uma boa dimensão do pensamento dos bolsominions. A propósito, se 50 hospitais pararem, vocês verão o impacto disso. Foram milhões de atendimentos, incluindo de consultas até transplantes, em 2018. Professor de Universidade tem plano de saúde, então adivinha quem sofrerá com os cortes. Aliás, por ano o Brasil gasta 6 bilhões de reais com pensões a dependentes de militares. E acham que a culpa do país está nas Universidades. Isso é absolutamente ideológico.

    1. O problema da “produção científica” brasileira é que mais de 90% dela é irrelevante, de baixíssimo nível, sem nenhuma implicação positiva para a produção de conhecimento e aproveitamento científico e/ou reverberação social.
      É preciso parar de hipocrisia e encarar a realidade: as críticas reais aos cortes de verbas dizem respeito aos professores-pesquisadores incompetentes que engordam suas receitas com bolsas CAPES/CNPq para projetos medíocres e inválidos. Professores esses que veem seu status quo sob risco. Um corte de verbas implicaria em aplicar a verba com maior critério, o que provavelmente levaria a uma queda de financiamento de projetos como “estudo dos dialetos da prostitutas do Prostíbulo Tal” pela priorização de projetos como “Implicações do tratamento de água do Rio Líquido para a Comunidade X”.
      Há tempos avalio centenas de trabalhos acadêmicos por ano e um ou dois merecem serem chamados assim.

    2. Mas vc sabe q o governo impossibilita pesquisa em faculdades privadas né ??? E faculdade é importante mas ensino básico é mais. É questão de necessidades.

      1. Para quem ainda insiste em defender o discurso dos bolsominions de que investir no ensino básico é importante, pelo amor de Deus, acordem! Qual é o projeto apresentado para as escolas de ensino básico? Alguém vê sede do governo nisso? Não há nenhum projeto. A única sede existente é a de desestabilização das universidades públicas , que está entre nossos poucos motivos de orgulho. É estarrecedora essa cegueira de quem defende com unhas e dentes o governo atual. É preciso fazer uma reflexão mais responsável sobre a gravidade do que está acontecendo, pois os governantes se manifestam com palavras claras que tornam evidente que o objetivo principal é uma vingancinha pessoal. Nada além disso.

    3. A própria OCDE recomenta “Transferir os gastos do ensino superior para o ensino pré-primário, fundamental e médio aumentaria a progressividade e eficiência.”……….mas o esquerdista ai acha que sabe mais…..

    4. Tenta falar bonito mas chama os outros de “bolsominions”. Esse é o nível do debate no país hoje.

  7. Parabéns pela matéria e deve ter dado um trampo fudido pra fazer! Então peço pra galera que acessa o caneta divulguem a matéria para seus amigos e o site. Eu fiz minha parte, divulguem em todas comunidades e nos comentários que eu sigo.

  8. Não adianta, mesmo se ler mais de uma vez não vai entender. A falta de gasto com ensino básico da nisso.

    1. Não importa, pois o ponto não é qual presidente gastou mais com educação, mas qual país gasta quanto com educação e se isso é melhor do investir em educação básica.

    2. Favor novamente a reportagem….com calma e pausadamente….talvez vc consiga entender……em último caso podemos tentar por desenhos

Deixe uma resposta para Santana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like