A busca de homens homossexuais por parceiros no Tinder virou tema de uma dissertação de mestrado na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), localizada na cidade de Rio Grande-RS.

Intitulada “A produção das masculinidades e socioespacialidades de homens que buscam parceiros do mesmo sexo no aplicativo Tinder em Rio Grande-RS”, a dissertação foi realizada por Diego Miranda Nunes com orientação da professora Susana Maria Veleda da Silva do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGeo). A defesa da dissertação será feita no próximo dia 25 de fevereiro no Campus Carreiros.

Segundo resumo do trabalho apresentado no Seminário “Corpus Possíveis no Brasil Profundo”, a pesquisa buscou ” investigar as masculinidades produzidas nos perfis de homens que buscam parceiros do mesmo sexo no aplicativo Tinder” utilizando um formulário online, feito no Google Forms, respondido por 154 homens homossexuais.

Para realizar o estudo, Diego Miranda Nunes recebeu, nos últimos dois anos, uma bolsa de R$ 1.500,00 mensais paga pela “Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior” (CAPES). A orientadora da pesquisa, Susana Maria Veleda da Silva, é uma das responsáveis pela linha de pesquisa “Relações de Gênero na Geografia do Trabalho e da População” do “Núcleo de Análises Urbanas” da FURG.

Diego também foi candidato a vereador de Rio Grande-RS pelo Partido dos Trabalhadores (PT) em 2016, mas recebeu apenas 410 votos e não eleito.

 

Capa da dissertação de mestrado sobre as buscas de homossexuais por parceiros no Tinder
Contribua com o trabalho da Agência Caneta: clique aqui

37 comments
  1. Entre outras aberrações já citadas aqui, não dá pra deixar de observar a bizarrice que é UNIVERSIDADE FEDERAL ***DO*** RIO GRANDE, como se não tivesse outro Rio Grande no Nordeste do Brasil. É incrível. Essa gauchada acha que o planeta tem que rodar em volta deles.

  2. Isto é por causa do apadrinhamento político nas Universidades Federais por parte da esquerda. Todos os concursos são por critérios subjetivos, sejam de pós graduações sejam de contratação de professores. As bancas avaliadoras são todas compostas por professores ligados a partidos e sindicatos, logo, passa quem é ligado a partidos e sindicatos. Este é o processo que explica a grande concentração de esquerdistas como professores e pós-graduandos em UF’s. Um aluno brilhante com um projeto liberal é excluído de processos de seleção, imbecis com projetos idiotas como este são aprovados com bolsa, ainda mais se forem filiados ao PT. Nestes caso, a professora é petista, o pró-reitor que comprou a briga também e a FURG é uma fábrica de reatardados sem serventia para a sociedade, bem como todas as UF’s. Não é de se admirar que esta mesma sociedade queira a privatização destas UF’s, pois servem a um grupo político e não à população.

    1. E o pior é que isso não só na FURG. Me contaram que na UFPEL, as “gurias” fizeram uma performance masturbatória em pleno saguão do ICH, e o magnífico deixou por isso mesmo. E tem uma professora que põe os alunos de Administração a fazer cordel feminista como atividade de avaliação, ou então traz dois travecos para palestrar nas suas aulas. Tudo é carnaval.

  3. Eu, como pesquisador que sou, não vejo problema no tema da pesquisa em si, mas entendo que os critérios de patrocínio deveriam ser melhor discutidos com a sociedade, através dos seus representantes. Nada contra o estudo das trocas homoafetivas através do Tinder, afinal a plataforma é apenas um veículo facilitador para a busca de parceiros, independente do sexo. E se os caras gostam de dar o briôco, é melhor que o ofereçam pelo aplicativo, do que na esquina da praça, pois “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”.
    O que me causa estranheza é a FURG privilegiar a produção desse tipo de conhecimento, quando há tantas carências em outras áreas, especialmente nas exatas, nas engenharias, nas organizações, na biologia marinha, etc., etc., etc. Será que alguém patrocinaria estudos sobre “a melhor forma de disponibilizar o briôco”, se precisasse tirar do próprio bolso? Tenho dúvidas.

  4. O problema disso tudo é que QUALQUER pesquisa relacionada a artes e ciências sociais não tem relevância nenhuma para a sociedade. Por isso a indignação geral quando se apresenta uma tese de mestrado onde alguém recebeu dinheiro pra analisar gays de uma cidade usando Google Forms, como se não bastasse, atingiu míseras 154 amostras.

    1. Você passou no programa? Porque a bolsa da CAPES vem via programa de pós-graduação, se o número de bolsas não era suficiente para você conseguir a bolsa na sua classificação o problema é do programa, da CAPES e do próprio governo que não financia a pesquisa do país, e não da pessoa que escolheu pesquisar o que ela tinha vontade.

  5. Estudo na FURG.
    Sou projetista chefe de uma equipe de AeroDesign. Um baita programa que ensina graduandos em engenharia a trabalhar em equipe, desenvolver um produto e resolver problemas de engenharia.
    Hoje somos em 13, mas qualquer um pode entrar, nem que seja só pra acompanhar as minhas aulas e o manejo do ferramental.
    Rio grande é um município pobre e patrocínio é difícil de conseguir, até mais porque ninguém vê vantagem em nos patrocinar. Espaço que a gente consegue na mídia é uma matéria por ano na RBS e só.
    Todos os nossos membros são voluntários. A equipe existe desde 2007 e nunca teve bolsista. Tiramos tudo do nosso bolso. Estou até hoje esperando resposta de uma lista de compras de cerca de R$4mil que enviei em 2015 com materiais e ferramentas que precisamos pra desenvolver nosso projeto.
    Mas o pior é que conseguimos nos classificar pra competição nacional desse ano. Hotel sempre foi por nossa conta. Mas o ônibus e a inscrição são R$17 mil. Se a universidade não bancar, não vamos ter condições de ir.

    1. Thauã. Abra uma conta no Twitter..divulgue seu trabalho com seus colegas..busque patrocínio..com toda certeza vão ganhar visibilidade e apoio..Nos Brasileiros de Bem merecemos esse destaque de nossa gente!! Parabéns! Não desistam.

  6. Estou tentando ver a contribuição da pesquisa para a população. É, se pesquisa o que quer, mas tem que pelo menos ser um dispositivo de mudança para algo. Pesquisar especificamente o público homoafetivo pode ser mais preconceituoso do que um meio de dar voz às minorias. Tem que ler a pesquisa, mas pelo título é difícil identificar a contribuição.

  7. Defesa “A produção das masculinidades e socioespacialidades de homens que buscam parceiros do mesmo sexo no aplicativo Tinder em Rio Grande-RS”
    A defesa do trabalho “A produção das masculinidades e socioespacialidades de homens que buscam parceiros do mesmo sexo no aplicativo Tinder em Rio Grande-RS” realizada pelo aluno Diego Miranda Nunes com orientação da professora Susana Maria Veleda da Silva do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGeo) da FURG será no dia 25 de fevereiro, às 14h30. Participarão da banca examinadora os professores Raquel Pereira Quadrado (FURG), Leda Velloso Buonfiglio (FURG) e Márcio José Ornat (UEPG).

    Local: Sala 15 da Sead – Campus Carreiros

  8. Enquanto isso, meu doutorado com fósseis… o meu orientador tem que tirar dinheiro do próprio bolso para pagar as escavações e eu nunca recebi um real sequer para desenvolver as pesquisas…

    1. Exato, prezado. A alocação de recursos nas pesquisas reais e necessárias é horrorosa. As bolsas são distribuídas nas universidades federais sem muitos critérios objetivos. E até mesmo por afinidade ideológica. Isto tem de acabar.

  9. Pode estudar a p… que quiser, seu débil mental chamado GUILHERME, mas não queira fazer esse tipo de patifaria inútil com DINHEIRO PÚBLICO.

    ESSA É A CRÍTICA, SEU INEPTO.

  10. Pessoal que se importa tanto, e racha tão ruim, ENTRA NA UNIVERSIDADE; CONCLUI; SE INCREVE NO MESTRADO, E ESTUDA UMA “COISA DE MACHÃO NÃO PETISTA”! SIMPLES. Ficam aí enchendo o saco, choramingando e apontando o dedo, bando de bunda mole, baba ovo do Bozo, o Capitão Ladrão, + SUJO QUE PAU DE GALINHEIRO!

    1. Pode estudar a p… que quiser, seu débil mental chamado GUILHERME, mas não queira fazer esse tipo de patifaria inútil com DINHEIRO PÚBLICO.

      ESSA É A CRÍTICA, SEU INEPTO.

    1. Todos os cursos de pós graduação de universidades federais ofertam bolsas e o critério não está relacionado com o que será pesquisado. Geralmente, as bolsas são concedidas para os melhores classificados na seleção e não podem ter vínculo empregatício. A bolsa é um suporte aos que querem estudar e precisam trabalhar.

  11. Que bom que a universidade estuda a sua sociedade.
    As ciências sociais servem para isto mesmo, no Brasil (com ou sem PT) ou em qualquer parte do mundo, mas os eleitores do Coiso não entendem de ciências, ne?
    Acham que a terra é plana.
    Já vivemos a era de Aquário , agora iniciarmos a era dos bestas!

    1. É uma pesquisa “científica” muito relevante mesmo para o mundo!!! Descobrir quantos homens procuram outros homens no tinder, para fazer um troca troca!!!!! Não é à toa que CRAZY HOFFMAN quer Lula como candidato ao Nobel da Paz!! Esquerda doente!!!! Saudades do Clodovil!!!!

  12. As universidades brasileiras funcionam assim mesmo. Militantes travestidos de professores acolhem militantes do PT e PSOL para mestrado e doutorado. Depois, esses mesmos estudantes quando mestres/doutores farão concursos nessas mesmas universidades, com grande “apoio” dos mesmos professores militantes que os orientaram, saindo na frente dos demais concorrentes.

    1. Uhum…. é desse jeitinho mesmo, normalmente numa seleção com 20 vagas concorrem uns 90, 1 mês ou 2 no máximo para estudar os pontos que foram publicados no edital, pontos sorteados na hora, depois entrevista, avaliação de currículo, prova de proficiência, e vem um TAPADO que não lê um livro sequer falar que são “escolhidos” só esquerdistas. Vai catar coquinho!

    2. Como é bom ler um comentário lúcido, escrito por quem enxerga além! Várias pessoas já me falaram que esses concursos públicos para universidades federais são a maior maracutaia. Já tem os escolhidos antes mesmo do processo.

      1. Esse comentário me parece de alguém frustrado porque não foi capaz de passar ao próprio mérito e ficou inventando teorias conspiratórias na cabeça para justificar o intelecto limitado. Afinal, não é possível que aqueles esquerdistas passem e eu não! Eu sou mais inteligente que eles!

    3. Não é isso, você não entendeu nada. Precisa de melhor classificação para ser selecionado e os eleitores do Bozzonaro, apesar de se considerarem elite, são péssimos em adquirir conhecimento.

    4. Ocorre exatamente isso. A esquerda acredita nos seus fins, mas usa os meios mais sujos para aclançá-los. O apadrinhamento de estudantes, a contratação de professores através de cartas marcadas, adistribuição de bolsas em projetos, etc. demonstram direitinho que o papinho furado de ajudar o próximo e de que são o lado bom e benevolente da história esbarra na realidade de que esquerdistas são corruptos e maus-caracterers em todos os níveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like