O escritor Flávio Morgenstern, autor do livro “Por Trás da Máscara”, foi condenado pela juíza da 14ª Vara Cível da Justiça do Rio de Janeiro a pagar uma indenização de R$ 120 mil a Caetano Veloso por ter criado a hashtag #CaetanoPedófilo.

Segundo a juíza Flávia Gonçalves Morais Alves, Flávio “instigou que seus seguidores viralizassem a hashtag #Caetanopedófilo e estes, estimulados com a convocação aberta para hostilizar e ofender o autor, responderam imediatamente, espalhando uma onda de ódio e ofensas contra o artista”. O fato de ser público e notório que Caetano teve, no seu aniversário de 40 anos, relações sexuais com uma criança de 13 anos foi desconsiderado pela juíza.

Flávio foi condenado a indenizar Caetano Veloso em R$ 120 mil pela criação da hashtag, a qual teria “ultrapassado a liberdade de expressão”. Cabe recurso contra a decisão.

Contribua com o trabalho da Agência Caneta: clique aqui

14 comments
  1. E por acaso é mentira que o Caetano Veloso praticou pedofilia? O mundo inteiro já sabe. Engraçado, o mesmo se fazia de vítima alegando perseguição por parte dos militares e mesmo assim arrumou tem tempinho pra papar menor de idade? Garanto que se fosse algum homem que não fosse famoso, que teriam trilhões de investigações, mas como é com celebridade (e esquerdista) então tudo pode. Eh Brasil, assim não dá Brasil 🤔

  2. Tristes tempos esses nos quais vivemos. Falar a verdade merece punição judicial, enquanto que a mesma justiça defende mentiras como a de quem nasceu homem e se diz mulher, ou vice versa.

    1. O escritor instigou pessoas a hostilizar o cantor. Em tempos passados era comum meninas de 12 , 13 anos casar, desde que fosse com o consentimento dos pais.
      Mesmo que fosse crime a ação de Caetano. um crime não justifica outro. O escritor colocou o cantor em exposição pública de ódio e a crítica por um fato do passado que hoje não tem relevância..(se crime fosse,seria prescrito) O objetivo era apenas de punir, denegrir o cantor e ele se autopromover como criador da Haste. Nem os pais da vítima e nem a própria vítima, quer a punição de Caetano, a atitude do escritor é condenável.

      1. O fato um crime estar prescrito não torna seu autor inocente, apenas exclui a punibilidade. Mas o fato permanece crime. A ação permanece típica e anti-jurídica. Logo o autor é criminoso ainda que não seja, ou tenha sido punido. Ah e se o fato não estivesse prescrito, pouco importaria a opinião da vítima ou de seus responsáveis legais, pois nesse tipo de crime a tutela é do Estado.

      2. Em tempos passados era comum meninas de 12 casar, só se fosse na sua casa com os seus filhos! Não fala merda não seu boçal! Mesmo que essa pessoa tenha sido punida pela justiça, a hashtag foi um sucesso e o que ela mostrou, foi o que todos já sabiam e continuarão sabendo! Essa vitória parcial na justiça, pois ainda há recursos, não vai remover a palavra pedófilo da testa do pedófilo, nem irá transformar o peixe boi em sereio. Ele vai morrer com esse título e quem protege patife, é patife também!

  3. Quando Caetano Veloso cantava “É proibido proibir” ele queria que isto fosse regra para assuntos relacionados à outras pessoas mas não a si mesmo. Caetano Veloso é um dos maiores hipócritas do Brasil.

  4. No 🇧🇷, alguns juízes acreditam que “justiça” é p/ alguns. Trabalhei c/ pedofilia durante 3 anos. Meus cabelos caíram pelo horror que eu convivi, homens ricos e poderosos ñ eram presos, por terem advogados. A Lei era clara, 13 anos é < de idade. FIM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like