O filme sobre o terrorista Carlos Marighella, dirigido por Wagner Moura, custou mais do que a campanha de Jair Bolsonaro à presidência da República. Com um adendo: somente o primeiro foi 100% financiado pelo dinheiro dos pagadores de impostos.

De acordo com a Ancine, o filme “Marighella” custou R$ 3,55 milhões de reais em renúncias fiscais via Lei do Audiovisual, uma lei similar à Lei Rouanet a qual permitiu que os impostos cobrados dos consumidores de produtos e serviços fossem destinados ao filme.

Outros R$ 2,5 milhões serão destinados à obra pelo Fundo Setorial de Cinema (FSA), cuja principal fonte de recursos do FSA é a Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional), inserida nos custos pagos por milhões de brasileiros que utilizam serviços telefônicos e televisão por assinatura.

No total, o filme sobre o comunista Carlos Marighella, autor do livro Minimanual do Guerrilheiro Urbano e fundador do grupo terrorista Ação Libertadora Nacional, receberá R$ 6,05 milhões dos pagadores de impostos brasileiros.

A soma é superior aos gastos de Jair Bolsonaro em sua campanha à presidência da República. De acordo com o TSE, a campanha do capitão teve receitas de R$ 4,39 milhões, sendo R$ 3,7 milhões de doações voluntárias feitas pela Internet e R$ 615 mil do fundo partidário de PSL e PRTB. Entretanto, a campanha teve sobra financeira de R$ 1,56 milhão, custando, na prática, somente R$ 2,83 milhões.

Cabe lembrar que o governo Bolsonaro e o ministro responsável pela área de cultura, Osmar Terra (Ministério da Cidadania) mantiveram praticamente intactas tanto a Lei do Audiovisual quanto a Lei Rouanet. Para felicidade dos artistas que vivem às custas dos pagadores de impostos brasileiros.

13 comments
  1. O condecine é a contribuição obrigatória por parte dos próprios produtores audiovisuais, emissoras de tv, distribuidoras, etc. O contribuinte nesse caso não é o trabalhador brasileiro, e sim os PRODUTORES AUDIOVISUAIS. O dinheiro usado para fomentar esses projetos vem do próprio setor. Quem paga a conta não é você. O dinheiro do cinema não vem da segurança, da saúde ou da educação. O dinheiro usado nos projetos tem um prazo para ser devolvido ao fundo, além de a produção em si injetar dinheiro na economia através de impostos de todos os serviços contratados durante a produção do filme. Porque, ao contrário do partido do presidente Bolsonaro, as contas das produções audiovisuais são rigorosamente prestadas e existe emissão de nota fiscal para todo e qualquer gasto.

    1. O CODECINE é sim pago pelos produtores de áudio visual, que assim repassam o custo para quem o contratou. Que com certeza repassa para seu público alvo. No final das contas quem pagou foi o cidadão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like