Após a pífia campanha presidencial de Marina Silva, o partido dela, a “Rede Sustentabilidade”, está cada vez mais perto da extinção.

Nas últimas eleições, a Rede só conseguiu eleger uma deputada federal, a indígena Joenia Wapichana (RR), e cinco senadores. De acordo com a cláusula de barreira aprovada pelo Congresso em 2017, tal desempenho impede que o partido obtenha recursos do fundo partidário e tenha direito à propaganda eleitoral de rádio e televisão.

Uma decisão final sobre o futuro do partido deveria ter sido tomada no final de dezembro, mas foi adiada para o Congresso Nacional Extraordinário da Rede, a ser realizado nos dias 30 e 31 de março em Brasília.

Dois senadores eleitos pelo partido, entretanto, não aguentaram a espera. Alessandro Vieira (SE) deixou o partido no dia 19 de dezembro rumo ao PPS. E o Capitão Styvenson (RN) deixou a Rede rumo ao Podemos, hoje (04).

Desta forma, o partido de Marina Silva ficou com apenas três senadores: Fabiano Contarato (ES), Flávio Arns (PR) e Randolfe Rodrigues (AP). Por enquanto.

Precisamos da sua ajuda para que a Reforma da Previdência de 1 trilhão seja aprovada. Clique aqui

16 comments
  1. Por mim nen deveria ter sido criado, quanto mais sustentado por dinheiro público, e no mais vai tarde, quanto menos partido MELHOR, bom seria se fosse apenas dois.

  2. Sempre soube que aquele “idílio” explícito com o bandido Aécio Neves não poderia terminar em boa coisa. Até então, Marina Silva era um nome de respeito, legitima representante dos seringueiros, castanheiros, agricultores, e oitros seguimentos de trabalhadires que carregam esse país nas costas.
    A nova postura da candidata a fez perder a identidade com as suas bases. Conclusao: cabô!

    1. Conversa! A Marina mal consegue falar. É farinha do mesmo saco. Se fosse presidente do Brasil não teria pulso firme necessário pra resolver os problemas e ficaria tudo na questão do plebiscito. Vai tarde!

  3. Com a debandada dos poucos representantes eleitos, fica claro que os repasses são mais importantes que verdadeiramente representar os interesses do eleitor no Congresso. Há momentos que a ideologia mais importante é a do cifrão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like