O prazo para apresentação de emendas à Reforma da Previdência no plenário do Senado terminou ontem (17) e os senadores apresentaram 77 propostas de alterações ao texto.

Agora caberá ao relator da PEC (Proposta de Emenda à Constituição), senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), acatar ou rejeitar as sugestões apresentadas.

O texto deve ser votado em primeiro turno no plenário em 24 de setembro e em segundo turno no dia 10 de outubro, após cumprir o prazo regimental de três sessões de discussão. A proposta precisa passar por dois turnos de votação e, para ser aprovada, requer 49 votos em cada, ou 3/5 dos senadores.

No início deste mês, a proposta foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e passou pelo prazo regimental de cinco sessões de discussão no plenário para avançar.

A tendência é que Jereissati rejeite as emendas à PEC e inclua eventuais mudanças em outro projeto, que vem sendo chamado de PEC paralela. O objetivo é evitar que o texto principal da proposta precise retornar à Câmara, atrasando a tramitação.

O governo Jair Bolsonaro tem apelado tanto ao relator quanto aos senadores para que eles não aprovem mais alterações na proposta e evitar uma desidratação maior. Com as mudanças feitas por Jereissati, a economia esperada com a reforma caiu de R$ 933,5 bilhões para R$ 876,7 bilhões em dez anos, segundo o governo.

2 comments
  1. Caso o teto dos aposentados sejam para todos e acabar com as mordomias da classe política e com o corporativismo e a corrupção eu concordo

  2. Reforma da morte só vai prejudicar quem depende do RGPS os políticos nada de cortar suas mordomias

Deixe uma resposta para José Arquilau Aquino dos Santos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like