Em matéria de pesquisas eleitorais, a desinformação reinou no primeiro turno. De “pesquisa” feita com amostra irrelevante de 1000 pessoas a “levantamento” de website fundo de quintal sem metodologia ou registro, apareceu de tudo nestas eleições.

Entretanto, nove diferentes pesquisas registradas no TSE se destacaram no noticiário durante o primeiro turno: BTG Pactual/FSB, CNT/MDA, Crusoé/Paraná Pesquisas, CUT/Vox Populi, Datafolha, Datapoder360, Ibope, RecordTV/RealTime Big Data e XP/Ipespe.

As pesquisas de boca de urna não foram incluídas porque, por definição, foram feitas no dia da votação e não anteriormente. Analisamos somente os resultados dos dois primeiros colocados, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), dado que são os candidatos que disputam o segundo turno. E levamos em consideração apenas os votos válidos porque somente eles contam.

Confira nossa comparação das pesquisas e aquela que mais chegou perto de acertar no 1° turno.

BTG Pactual/FSB

O levantamento contratado pelo BTG Pactual junto ao Instituto FSB passou longe de acertar.

A última pesquisa antes das eleições de 07 de outubro foi divulgada na segunda-feira anterior (01/10) e mostrou Bolsonaro em queda, com 35% das intenções de votos válidos, contra 27% de Haddad. No resultado real, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: ficou longe. Pesquisa mostrou 11,03 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 2,28 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 13,31 pontos percentuais. Como a margem de erro era de 2 pontos, o erro fora da margem foi de 9,31 pontos percentuais.

CNT/MDA

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) contrata tantas pesquisas – a maioria junto à MDA – que possui uma seção em seu website apenas para elas. A última pesquisa CNT/MDA antes do primeiro turno foi divulgada um dia antes, no sábado (06/10), e foi a que mais se aproximou do resultado real.

Em intenções de votos válidos, a CNT/MDA mostrou Bolsonaro com 42,6% contra 27,8% de Haddad. Na abertura das urnas, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: foi a pesquisa que mais chegou perto do resultado real, mostrando 3,43 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 1,48 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 4,91 pontos. Como a margem de erro de 2,2 pontos percentuais, o erro fora da margem foi de apenas 1,23 pontos percentuais.

Crusoé/Paraná Pesquisas (ou Empiricus/Paraná Pesquisas)

Ao contrário do que muitos afirmam nas redes sociais, a pesquisa contratada pela Crusoé junto à Paraná Pesquisas (com apoio da Empiricus) não foi a que mais se aproximou do resultado real do primeiro turno presidencial.

A última versão do levantamento antes do primeiro domingo eleitoral foi exibida na sexta-feira anterior (05/10) e mostrou Bolsonaro com 40,9% das intenções de votos válidos contra 25,6% de Haddad. Na abertura das urnas, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: errrouuu. Pesquisa mostrou 5,13 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 3,68 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 8,81 pontos. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais, o erro fora da margem foi de 4,81 pontos percentuais.

CUT/Vox Populi (ou Brasil247/Vox Populi)

Contratada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) – entidade ligada ao Partido dos Trabalhadores (PT) – junto ao Vox Populi, a pesquisa também possui outra versão contratada pelo Brasil247, declaradamente de esquerda, também junto ao Vox Populi.

A última versão da pesquisa antes do primeiro turno foi divulgada no sábado (06/10) anterior à votação dominical e foi a única a superestimar as intenções de voto no candidato do PT. Em intenções de votos válidos, o levantamento mostrou Bolsonaro com 40% contra 31% de Haddad. Na abertura das urnas, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: pesquisa mostrou 6,03 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 1,72 pontos percentuais a mais para Fernando Haddad, um erro total de 7,75 pontos. Considerando a margem de erro de 2 pontos, o erro fora da margem foi de 4,03 pontos percentuais.

Datafolha

A pesquisa mais divulgada pela velha mídia, junto com o Ibope, também teve um erro considerável no primeiro turno.

A última versão do levantamento antes do primeiro domingo eleitoral foi exibida no sábado anterior (06/10) ao dia da votação e mostrou Bolsonaro com 40% das intenções de votos válidos contra 25% de Haddad – um resultado praticamente similar aos dos levantamentos Crusoé/Paraná Pesquisas, Ibope e XP/Ipespe. Na abertura das urnas, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: errouuu. Pesquisa mostrou 6,03 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 4,28 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 10,31 pontos. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais, o erro fora da margem foi de 6,31 pontos percentuais.

Datapoder360

O instituto criado pelo site Poder360 passou longe do resultado real no primeiro turno.

A última versão da pesquisa antes do primeiro domingo eleitoral foi divulgada na sexta (05/10) anterior ao dia da votação e mostrou Bolsonaro com 33% das intenções de votos válidos contra 27% de Haddad. Na abertura das urnas, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: passou longe. Pesquisa mostrou 13,03 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 2,28 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 15,31 pontos. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais, o erro fora da margem foi de 11,31 pontos percentuais.

Ibope

A pesquisa mais divulgada pela velha mídia, junto com o Datafolha, também teve um erro considerável no primeiro turno.

A última versão do levantamento antes do primeiro domingo eleitoral foi exibida no sábado anterior (06/10) ao dia da votação e mostrou Bolsonaro com 41% das intenções de votos válidos contra 25% de Haddad – um resultado praticamente similar aos dos levantamentos Crusoé/Paraná Pesquisas, Datafolha e XP/Ipespe. Na abertura das urnas, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: errouuu. Pesquisa mostrou 5,03 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 4,28 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 9,31 pontos. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais, o erro fora da margem foi de 5,31 pontos percentuais.

RecordTV/RealTime Big Data

Muito pouco divulgada pela velha mídia, exceto obviamente pela contratante, a pesquisa RecordTV/RealTime Big Data chegou mais perto do resultado final do que as amplamente divulgadas Datafolha e Ibope.

A última versão do levantamento antes do primeiro domingo eleitoral foi exibida na sexta anterior (05/10) ao dia da votação e mostrou Bolsonaro com 40% das intenções de votos válidos contra 28% de Haddad. Na abertura das urnas, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: errouuu. Pesquisa mostrou 6,03 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 1,28 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 7,31 pontos. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais, o erro fora da margem foi de 4,03 pontos percentuais.

XP/Ipespe

A última pesquisa analisada pela Caneta foi contratada pela XP Investimentos junto ao Instituto de Pesquisas Sociais, Polícias e Econômicas (Ipespe) e também errou.

A última versão do levantamento antes do primeiro domingo eleitoral foi divulgada na sexta anterior (05/10) ao dia da votação e mostrou Bolsonaro com 41% das intenções de votos válidos contra 25% de Haddad (36% contra 22% nos votos totais), um resultado similar ao do Ibope e muito próximo de Crusoé/Paraná Pesquisas e Datafolha. No resultado real, Bolsonaro teve 46,03% dos votos válidos contra 29,28% de Haddad.

Veredicto: errouuu. Pesquisa mostrou 5,03 pontos percentuais a menos para Jair Bolsonaro e 4,28 pontos percentuais a menos para Fernando Haddad, um erro total de 9,31 pontos. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais, o erro fora da margem foi de 5,31 pontos percentuais.

Conclusão: a pesquisa que mais chegou perto do resultado é uma das menos divulgadas pela velha mídia

Ao contrário de Datafolha e Ibope, que erraram respectivamente 10,31 pontos percentuais e 9,31 pontos percentuais no primeiro turno, a pesquisa CNT/MDA foi a que mais se aproximou do resultado real com um erro total de 4,91 pontos. Dada a margem de erro da pesquisa (2,2 pontos percentuais), o erro fora da margem foi de apenas 1,23 pontos percentuais.

Outras surpresas foram as segundas colocadas, as também pouco divulgadas RecordTV/RealTime Big Data e CUT/Brasil247/Vox Populi. A primeira teve um erro total de 7,31 pontos percentuais e, considerando a margem de erro, teve um erro fora da margem de 4,03 pontos percentuais. A segunda, embora tenha um claro viés pró-esquerda (foi a única a superestimar as intenções de votos válidas em Fernando Haddad), teve um erro total de 7,75 pontos percentuais e errou 4,03 pontos percentuais fora da margem de erro. É possível falar que ambas acertaram o resultado de Haddad dentro da margem de erro, mas subestimaram a votação em Bolsonaro.

No pelotão do erro total próximo de 10 pontos percentuais ficaram, além das previamente mencionadas Datafolha (10,31) e Ibope (9,31), duas pesquisas muito compartilhadas nas redes sociais: Crusoé/Paraná Pesquisas (8,81) e XP/Ipespe (9,31). Em outras palavras: os resultados destas pesquisas devem ser vistos com extrema desconfiança.

Por fim, temos aquelas pesquisas que chutaram muito longe do gol: BTG Pactual/FSB (erro total de 13,31 pontos percentuais) e Datapoder360 (15,31). Ambas subestimaram e muito o resultado de Bolsonaro. É possível argumentar, com razão, que a pesquisa BTG Pactual/FSB não captou os resultados da última semana de campanha porque foi realizada no final de semana anterior e divulgada na segunda-feira (01/10), seis dias antes do primeiro turno. No caso da Datapoder360, entretanto, isso não é possível: a pesquisa foi divulgada na sexta-feira antes da votação, no mesmo dia da segunda pesquisa que mais chegou perto do resultado, a RecordTV/RealTime Big Data.

A guerra pela aprovação da Reforma da Previdência continua. Faça parte: clique aqui

7 comments
  1. Se é preciso empregar o termo “margem de erro, alem da margem de erro” é porque não serve mais para nada pesquisa mesmo, tem alguma coisa muito errada, metodologia, manipulação, interesses, não sei, só sei que não serve mais.

  2. Marcelo dias, peço escusas, mas você se mostrou muito mal informado! Todas as pesquisas são considerados somente os votos válidos e não os votos totais como você erradamente afirmou. Se informe melhor para não falar bobagem e passar vergonha, ok?

  3. Percebe-se que todas as pesquisas erraram bem menos pro Haddad que Bolsonaro, sempre puxaram o Bolsonaro pra baixo

  4. Ao olhar para pesquisas tive o interesse de analisar, apesar dos erros de todas em chegar os números reais, qual chegou mais próximo de acertar a diferença entre os dois candidatos?
    Bolsonaro teve 46,03%
    Haddad teve 29,28%
    A diferença foi 16,75%.
    Então, ao analisar as 9 agências de pesquisa, aquelas que tecnicamente acertaram a diferença foram:
    1- XP/IPESPE: 16%
    1- IBOPE: 16%
    Em ordem, das que mais se aproximaram até as que menos chegaram próximo temos:
    2- CRUSOÉ/PARANÁ PESQUISAS: 15,3%.
    3- DATA FOLHA: 15%
    4- CNT/MDA: 14,8%
    5- RECORDTV/REALTIME BIG DATA: 12%
    6- CUT/VOX POPULI (ou Brasil247/VOX POPULI): 9%
    7- BTG PACTUAL/FSB: 8%
    8- DATAPODER360: 6%

    Uma brincadeirazinha interessante.

  5. Análise das pesquisas baseando em votos totais. Uma vez que é exercício de futurologia descobrir quantos eleitores irão se abster e qual o percentual específico de cada candidato irão se abster. Logo, peço escusas a @Desesquerdizada, mas sua análise não tem sentido estatístico.

    1. Marcelo dias, peço escusas, mas você se mostrou muito mal informado! Todas as pesquisas são considerados somente os votos válidos e não os votos totais como você erradamente afirmou. Se informe melhor para não falar bobagem e passar vergonha, ok?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *