O critério do decreto “pró” armas de Bolsonaro que determina que “para a aquisição de armas de fogo de uso permitido, considera-se presente a efetiva necessidade (…) residentes em áreas urbanas (…) em unidades federativas com índices anuais de mais de dez homicídios por cem mil habitantes, no ano de 2016” é baseado em um estudo desarmamentista cuja coautoria é de um ONG financiada por George Soros.

O decreto determina que os dados utilizados para basear a definição de homicídios por cem mil habitantes é o “Atlas da Violência 2018, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública”, estudo que utiliza dados de 2016.

O Atlas da Violência 2018 (disponível aqui) é um estudo claramente desarmamentista. Logo na página 5 do estudo, os autores afirmam que “voltamos a enfatizar o papel central que uma política de controle responsável de armas de fogo exerce para a segurança de todos”. Outro trecho, na página 71 do documento, afirma que “um ponto importante é que o Estatuto do Desarmamento (…) interrompeu a corrida armamentista no país que estava impulsionando as mortes violentas”. 

O tom desarmamentista do estudo em que baseia este critério do decreto de Bolsonaro não é mera coincidência. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), coautor do estudo, é uma ONG desarmamentista financiada principalmente pela Open Society Foundations (OSF), braço de atuação política do bilionário George Soros no mundo.

Segundo o relatório de auditoria 2018 da FBSP (disponível aqui), em sua página 19, a instituição recebeu cerca de R$ 1,3 milhão de reais nos últimos anos de sua principal financiadora, a OSF de Soros, em seis contratos diferentes. Outros financiadores incluem Ford Foundation, Avon, Governo do Canadá e a Embaixada Britânica. Confira:

Lista de financiadores do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Fonte: relatório de auditoria da instituição.

Até o momento não há informações sobre o motivo pelo qual o critério foi baseado no “Atlas da Segurança Pública 2018” e não em outras fontes como os dados oficiais das Secretarias de Segurança Pública estaduais.

17 comments
  1. A falta de instrução e educação de vocês imbecis é tão patética que me causa espanto. Quem não tem argumentos parte para a agressão verbal estúpida e vulgar. Jumento é um animal, não serve como adjetivo.
    Meu nível cultural é suficiente para pesquisar as estatísticas de homicídios.
    Se a estupidez e agrecividade verbal desses delinquentes é tão feroz, imaginem o que fariam com
    uma arma!
    Esse tipo de delinquência fez o Brasil chegar onde está.

    1. Se você tem inteligencia suficiente para pesquisar estatisticas, sugiro que faça isso.
      Você vai ver que quanto mais a população é armada, menores são os homicídios e a criminalidade .

      O inverso também é verdadeiro, quanto mais desarmada a população, mais homicídios e mais crimes.

  2. Bolsonaro é um grande estrategista. Ele fez isso para eliminar o maior obstáculo, que era a comprovação de efetiva necessidade, e puxou o saco dos globalistas ao mesmo tempo para não ter o seu decreto barrado. Ele não terá condições de resolver rebuliços em Brasília, no momento, tendo em vista que viajará para Davos e fará cirurgia no dia 28 de janeiro. A estratégia dele era facilitar para os proprietários de terras e comerciantes. Para a população, ele fará a medida passar pelo Congresso, evitando que seja barrada pelo STF.

  3. Quer coisa melhor que usar os dados do inimigo? Sagaz… não há como eles contratarem os próprios dados se o número de assaltos à domicílio diminuir… 😎
    Ia aparecer alguém com uma gravata borboleta citando os dados do Fórum da cabeça do meu pau confrontando com os dados que Bolsa vai usar e aí?

  4. Quer coisa melhor que usar os dados do inimigo? Sagaz… não há como eles contratarem os próprios dados se o número de assaltos à domicílio diminuir… 😎
    Ia aparecer alguém com uma gravata borboleta citando os dados do Fórum da cabeça do meu pau confrontando com os dados que Bolsa vai usar

  5. Quer coisa melhor que usar os dados do inimigo? Sagaz… não há como eles contratarem os próprios dados se o número de assaltos à domicílio diminuir… 😎

  6. Os policiais precisam de armas e equipamentos e salários dignos para defender a população. Nós cidadãos não somos soldados, nem queremos ter armas em nossos lares.

    1. Fale por si mesma Maria Fernanda, pois o povo mesmo falou no referendo sobre o desarmamento que queria ter armas e ponto final. Se você não quer ter armas o problema é seu!

    2. Fale por si mesma, eu quero ter a garantia de que se alguém entrar na minha casa, meu revólver vai me salvar em menos de 10 segundos, já a polícia leva 5 minutos pra chegar, então se não concordar, não compre, mas eu quero garantir a segurança da minha família.

    3. Nós não queremos? Fale por si mesma! Você sabe o que é um referendo? Você sabe que houve um em 2005 sobre isso? Você sabe que o TER SIM O DIREITO de poder escolher entre comprar ou não, venceu mas o governo ignorou? Faça me o favor

    4. Ninguém quer ser soldado Maria vai com as outras. O que queremos é ter a possibilidade de garantir a liberdade individual de ir e vir. Não é função do estado proteger cada cidadão, se isso fosse verdade cada pessoa assassinada e roubada teria direito a ressarcimento e o STF já admitiu que o estado não deve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like