O relatório do Coaf (Conselho de Controle das Atividades Financeiras) que apontou movimentação atípica do policial militar Fabrício Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL), mencionou auxiliares de outros 20 deputados da ALERJ (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

A Procuradoria-Geral de Justiça do Rio de Janeiro instaurou um procedimento criminal há cerca de quatro meses para investigar as circunstâncias das movimentações dos funcionários de ALERJ. A apuração também tem como alvo os deputados aos quais estão vinculados os servidores.

A menção no relatório não significa a prática de algum ilícito. O volume da movimentação, por sua vez, não é medida para a suspeita que eventualmente recaia sobre os deputados. O deputado Marcos Abrahão (Avante), preso na Furna da Onça, teve uma movimentação atípica de R$ 289 mil, por exemplo.

Apenas quatro dos dez deputados alvo da operação foram mencionados no relatório do Coaf. O gabinete que apresentou a maior movimentação entre eles foi o de Luiz Martins (PDT), com R$ 18,5 milhões, quarto da lista geral.

O gabinete com o maior volume de comunicações é o de André Ceciliano (PT). Foram quatro assessores com movimentação atípica de, somados, R$ 49,3 milhões. A maior parte se refere a entradas e saídas na conta de Elisângela Barbieri, que movimentou R$ 26,5 milhões em sua conta, segundo o Coaf.

O segundo da lista é o deputado Paulo Ramos (PDT), cujo gabinete registrou movimentações atípicas de R$ 30,3 milhões. Elas estão concentradas em nome de Luiz Felipe Conde, cuja conta recebeu e retirou R$ 18,6 milhões, segundo o Coaf.

Márcio Pacheco (PSC) aparece em terceiro com uma movimentação atípica de R$ 25,3 milhões envolvendo assessores de seu gabinete. O volume está distribuído entre nove funcionários.

Outros deputados estaduais cujos funcionários realizaram movimentações atípicas em 2016 são Dr. Deodalto (DEM, R$ 16,3 milhões), Carlos Minc (PSB, R$ 16 milhões), Coronel Jairo (PSC, R$ 10 milhões, preso), Marcos Müller (PHS, R$ 7,8 milhões), Luiz Paulo (PSDB, R$ 7,1 milhões), Tio Carlos (SD, R$ 4,3 milhões), Pedro Augusto (MDB, R$ 4,1 milhões), Átila Nunes (MDB, R$ 2,2 milhões), Iranildo Campos (SD, R$ 2,2 milhões), Márcia Jeovani (DEM, R$ 2,1 milhões), Jorge Picciani (MDB, R$ 1,8 milhões, preso), Eliomar Coelho (PSOL, R$ 1,7 milhões), Flávio Bolsonaro (PSL, R$ 1,3 milhões), Waldeck Carneiro (PT, R$ 700 mil), Benedito Alves (PRB, R$ 500 mil), Marcos Abrahão (Avante, R$ 300 mil, preso) e Wanderson Nogueira (PSOL, R$ 300 mil).

Com informações do Coaf e da Folha

Contribua com o trabalho da Agência Caneta: clique aqui

3 comments
  1. Isso não vai dar em nada,Brasil não tem jeito,os corruptos mandam no país nas leis e muito mais.País de merda só bandido,bandido nas ruas,bandidos na assembleia,bandidos na presidência etc.como q um país desse vai pra frente ? Como q o povo mais sofrido vai ter uma vida menos sofrida com tanta safadeza e falta de respeito como próximo? Preto e pobre vai pra cadeia e cumpre pena preso com outros presos de alta periculosidade,agora bandidos políticos,cumprem pena em casa tomando vinho e comendo queijo suíço.País de merda!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like